sábado, 31 de agosto de 2013

Wrecking Ball

    Se eu disser Miley Cyrus agora qual será a primeira imagem que se formará na sua mente?
    Sei qual vai ser... Miley Vida Loka no VMA, acertei?
    Sei que acertei... Fiquei meio chocado com aquilo também. Não pelo tipo de dança (nós brasileiros já vimos coisas piores: quadradinho de oito, quadradinho borboleta... vergonha nacional... anyway) mas por quem estava fazendo a dança. Ficou estranho, foi impactante porque por mais vida loka que ela estivesse ninguém esperava aquilo...
    O mundo só fala disso, o que deve ter abafado o lançamento da música nova da Miley... A música se chama "Wrecking Ball"... é uma boa música... melhor do que "We can't stop" (que eu nãoa cho tão ruim, mas depois do clipe fiquei com nojo da música)... Se o resto das músicas da Miley forem como Wrecking ball eu baixo o CD todo...
    Joguem aí no google, não vão se arrepender... pelo menos eu não me arrependi... Entre a nova da Lady Gaga e a da Katy Perry eu fico com a da Miley Vida Loka Cyrus...

   

Matt Fishel

    Conhecem Matt Fishel?
    Esbarrei nele sem querer e gostei...
    Matt Fishel é um produtor, compositor, cantor britânico.
    Bem, não sei praticamente nada sobre ele, o que sei foi o que olhei na Wikipédia depois de ouvir falar sobre seu clipe novo (testament)...
    Baixei algumas músicas dele, do novo CD (Not Thinking Straight) e das que baixei minha favorita é "When Boy Meets Boy".
    Matt Fishel é abertamente gay e suas músicas falam sobre o tema. Bem, para os que não conhecem fica a indicação... Se já conhecem: qual é a sua música favotita?


Aqui tem um link para o vídeo da música "When Boy Meets Boy"...


Sim, você é preconceituoso (a)!

    "Eu não sou preconceituosa (o). Eu até deixei que ficassem perto de mim."
    "Eu não sou preconceituosa (o), mas é falta de vergonha dois homens se beijando."
    "Eu não sou preconceituosa (o), mas tem que fazer isso na minha frente?"
    "Eu não sou preconceituosa (o), tenho amigos gays."

    Quem já ouviu essas frases?
    Eu as ouço quase todos os dias. É incrível o quanto as pessoas querem ser politicamente corretas, não? Ficam fingindo (bem, pelo menos pensam que enganam) que não tem preconceito (não existe pessoa sem preconceito)... Parem de se esconder atrás do politicamente correto.
    Quando você diz que seu amigo é "viadinho" ou "gayzinho" você, ao meu ver, perde na hora o direito de chamar a pessoa de amigo. Porque diminuir as pessoas? É gay, ponto. Não precisa diminuir como se fosse uma ofensa.
   
    "É um ambiente de família. Ai você entra e encontra dois caras (duas mulheres) se beijando? Que nojo."

    Mais uma típica frase dos preconceituosos. Porque é tão errado que pessoas do mesmo sexo se beijem. Pessoas do sexo oposto tem o direito de demonstrar afeto onde quiserem. Porque nós não podemos. Logo irão sugerir que nos escondamos dentro de casa e finjamos ser algo que não somos.
    A cena mais chocante que já vi na minha vida não foi de homossecuais... Imaginem só, um casal hetero sentado em uma mesinha se beijando. Até aí tudo bem, só que o garoto estava com a mão dentro da saia da garota... Isso é bem normal, não? Coisa de família...
    Vou morrer sem entender porque as pessoas se incomodam mais com a vida alheia do que com a própria vida... Deve ser por isso que a humanindade se encontra desse jeito, perdida... Ao invés de ficarem se preocupando com quem está beijando quem deviam se preocupar com quem está nos roubando, deviam se preocupar com quem está passando fome, com quem está morrendo por motivos torpes... Se eu beijar um cara no meio da rua, isso não afeta em nada a vida dos outros... Não me incomodo quando vejo casais heteros se agarrando, quase fazendo sexo no meio da rua. Porque as pessoas se incomodariam comigo andando de mãos dadas com outro homem?
    Será que Freud explica?
   
    Live your life, just forget about mine.

domingo, 18 de agosto de 2013

Queer as Folk

    Alguém aí já assistiu?
    Vou começar a ver (provavelmente) essa semana. Consegui baixar algumas partes do primeiro episódio da primeira temporada no youtube e achei bem... caliente...
    Sei que o seriado já foi cancelado em 2005, mas só vou ver agora pq eu não tenho internet para baixar episódios de séries... mal consigo abrir o blog... anyway...
    Um amigo está baixando e ele disse que eu tinha que assistir pq é muito bom. Ai ele disse que vai gravar em uns CDs para mim... Estou muito ansioso para poder assistir tudo...
   
Queer As Folk é o nome da série estadunidense e canadense, produzida pelo canal Showtime e Temple Street Productions. O seriado foi exibido originalmente nos Estados Unidos, pelo canal Showtime e no Canadá, pelo canal Showcase, sendo transmitido entre 3 de dezembro de 2000 à 7 de agosto de 2005 (nos Estados Unidos) e entre 22 de janeiro de 2001 à 15 de agosto de 2005 (no Canadá).
O nome do seriado é uma brincadeira com um ditado em inglês, de "ninguém é tão estranho como nós" ("nobody is so weird as folk"), para "ninguém é tão gay como nós" ("nobody is so queer as folk").
Adaptado por Ron Cowen e Daniel Lipman, a série foi baseada no britânico Queer As Folk, de Russell T Davies. O seriado foi dirigido por Russell Mulcahy, Bruce McDonald, David Wellington, Kelly Makin, John Greyson, Jeremy Podeswa e Michael DeCarlo e tendo como escritores principais Ron Cowen e Daniel Lipman. O seriado é distribuído pela Warner Bros. Television.
Queer As Folk narra a história de cinco homens homossexuais que vivem em Pittsburgh, Pennsylvania: Brian, Justin, Michael, Emmett e Ted. Compondo o elenco principal, ainda temos o casal de lésbicas, Lindsay e Melanie e a mãe orgulhosa de Michael, Debbie.
Entre as duas versões, existem suas diferenças do qual destacamos: a quantidade de personagens, as tramas principais e as cenas de nudez.
Este seriado é um marco na luta dos direitos GLBT, pois investe em uma trama sem cunho pornográfico ou apelativo, mostrando homossexuais como pessoas comuns, vivendo em seu dia-a-dia. As dificuldades e conquistas desta comunidade são brilhantemente retratadas nesta produção.
No Brasil, a série recebeu o nome de Os Assumidos e foi transmitida pelo canal à cabo Cinemax. Já em Portugal, a série foi chamada de Diferentes Como Nós e teve sua exibição durante as madrugadas no canal TVI. Em ambos países, nunca tiveram lançamento dos DVDs de suas temporadas.

domingo, 4 de agosto de 2013

To Get Things Out Off My Mind

    “If you let your kids wear these kind of clothes they’ll turn into gay.”
    “Nobody was born gay.”
    “Being gay is a psychological thing.”
    “God has created men to be with women.”
    “He is just a kid he doesn’t know what is right and what’s wrong.”
    “He should act like a man, he was born as a man, he should be a man.”

    Yep, I heard these lines today.
    Was I watching TV? Was I on the street?
    No, I was at my home. My sister and a cousin of mine said that. I was really shocked. I’m not an out gay, but if people look at me they can see that I am not straight. They just pretend not to see it.
    Well, the words hurt me so bad. They were talking about being gay as if it was some kind of sickness, some king of thing you can acquire.
    Where was I?
    My throat was full of words to say, but I didn’t say them. They are stuck here. I’m not sick and I’m not a pervert as they said. And yes, I was born this way. I didn’t have the chance to chose between be a straight guy or a gay guy. How can they say that people turn into gay?
    I just feel bad because of their ignorance.
    I don’t want to say that religious people are mean, but I have to. Well, I won’t say that all of them are mean. I’ve seen pope Francis and he can see us as human being.
   They just got their brains changed by some church thing. They can’t think for themselves. I don’t believe in God and I have to say: It is okay for you to believe in something, but you can’t be blind for the rest of the world just because of the page of an old and doubtable book says that you must do something, you must obey.
    Religious people are worse than faithless people. Religious people judge you. Religious people want to dominate you. Religious people want to change your mind. These kind of people make me want to be far away from religiousness. They make me believe that god is unreal.
    They say that Jesus was a good guy. They say that Jesus would never judge someone. They say that Jesus would love everyone. And they say that they follow Jesus steps… Can you explain me how?
   

    God, if you really exist make them think for themselves. Make them see the light of knowledge. Enlighten them, and please make them act as they use to say that you acted. Thank you.
   

sábado, 3 de agosto de 2013

Harry Styles e Nick Grimshaw

Harry Styles (da boyband One Direction), em uma entrevista a revista GQ, declarou que não é bissexual e negou a existência de uma relação com Nick Grimshaw (apresentador de TV e rádio...)

Nick Jonas

   

Fotos

A Vida Melhora Juntos
Esperança.


"Eu não ligo se você é hetero, desde que você não tente me 'transformar' em hetero."


 Algumas fotos que achei no tumblr do "It Gets Better" e do "NOH8"...

Luz

    Me alegrei ao ver esses dois. Geralmente quando vejo pessoas ligadas a igreja falando sobre os gays eles nos jogam diretamente no inferno com julgamentos vazios e ultrapassados. Mas então aparecem esses dois, que conseguem ver que somo pessoas tão normais quanto as que nos julgam. Não acredito em Deus, não tenho religião, mas me alegrei com isso. Esses dois ganharam meu respeito. Não por terem falado essas palavras em relação aos gays, mas sim por que eles realmente estão fazendo como está na bíblia (que os cristões não seguem. Dizem que seguem, mas não o fazem). Não estão julgando as pessoas, estão passando palavras reconfortantes, palavras de amor. Do tipo que Jesus passaria adiante. Nossa, estou parecendo uma pessoa super religiosa agora, não? Já frequentei bastante a igreja, mas então as coisas deixaram de fazer sentido.



That's so Raven!

    Em um tweet a atriz/cantora que interpretava a Raven Baxter no seriado "As Visões da Raven" deu a entender que ela é lésbica.
     
    "Eu finalmente posso me casar! Viva governo! Tão orgulhosa de você."

    Há algum tempo atrás li rumores de que ela era lésbica e morava com a namorada em Nova York. Bem, os boatos ficaram para trás.
    Raven merece parabéns, por finalmente ser quem ela realmente é.
    Parece besteira, mas sempre que vejo essas coisas me sinto mais confiante. Sempre tenho mais certeza de que é a coisa certa a fazer. Talvez meu mal humor passe depois de me livrar desse peso e dessa mentira.

    Congratulations Raven! You joined the team of people who make me want to be myself without care about what people say. They'll always say things about me: good and evil... So, let them talk and let me be myself. That's the idea, the plan to have a happy life.